Primeiro,
eu entro pela sua boca;
esôfago me aperto em teu peito
em ácidos, me deito e dissolvo
e o corpo que me engole, é meu leito
segundo, mil pedaços de mim mesmo.
Resolvo que não sou mais quem eu era
e a fera, que se afoga em meu peito, é resto.
E destina rumo ao reto.
Terceiro, saio assim pela dos fundos,
"tem gente!" grita a moça apavorada.
Me encontro novamente neste mundo;
E através de ti, a nova estrada.
O quarto, é o lugar da longa ceia;
lá onde insisto em ser devorado
Em ti, além de tu, em tuas veias.
E através de ti, um novo estado.

2 Recados:

Lucas disse...

é fazer parte do outro que se chama...

Fionna disse...

Como Assim ? O que estava lendo não era o que passou a ser ? Que interessante.. Livros de biologia que nada, tudo devia ser literatura. ^^.
Gstei do motivo do seu blog tbm =]

ate mais..