Rico rico de marré de si. Tinha tudo o que queria ter. Tendo já seu lugar ao sol, acreditava que ir à igreja no domingo era a garantia de uma vaguinha no céu. Até que um dia tudo se foi.

Os sorrisos não passavam de fotografias queimando e desfigurando de pouco em pouco as alegrias congeladas. O que você sente quando fica pobre de tudo?

Se viu sentado no meio-fio, de frente para o espaço onde ficava a sua casa. Um sentimento, que talvez fosse ódio, começou a subir pela garganta. Sentiu pena de si mesmo pela primeira vez. Se perguntava o que meu Deus! tinha feito para merecer aquilo. Viu a fumaça que ainda saía dos destroços dançando no ar. Ficou por muitos minutos hipnotizado pelo balé cinza da fumaça. Olhou para o céu de poucas estrelas. E de repente se lembrou de estar domingo na igreja e, sem ainda entender, sentiu vontade de dizer:

- Isso nunca foi meu.

3 Recados:

Natacia Araújo disse...

"O que você sente quando fica pobre de tudo?"

Gosto muito da tua sensibilidade quando escreve...sempre atingindo os poros que muitas vezes não sentimos.
Mas este aí, especificamente me emocionou demais...me senti privilegiada de ler algo tão marcante e intenso.
Li, reli...até decorar cada trechinho, acho que essa frase acima é um calar de tudo aquilo que poderiamos falar a respeito do tema pobreza.

Maravilha Liza! Parabéns mesmo!

Leonardo Pezzella disse...

Gostei muito!! É possível imaginar a situação de termos algo e da noite para o dia perdermos. Perder algo repentinamente deve ser a forma mais difícil de se perder. Não há tempo para preparar nossa cabeça para superar. Mesmo se perdermos algo que não era nosso.

Meus parabéns Liza.
£!

Juliana Stanzani. disse...

Delicadeza das entrelinhas. Lindo.