Amor de infância


Quando estou ao seu lado, já sinto algo remexendo minha cabeça, você me enlouquece. O simples toque de sua pele na minha, é o bastante para me fazer fechar os olhos e não querer mais abrir. Ao te abraçar, sinto o suave cheiro de seu perfume e a pele macia de seu pescoço me convida a beijá-la. Beijo e sinto suas unhas se arrastando pelas minhas costas. Eu sei que você gosta disso. Delicadamente percorro o seu pescoço e alcanço sua orelha. Sinto seu corpo retorcer em meu abraço, sei que você adora isso.
Não adianta sussurrar em meu ouvido e dizer que estou judiando de você, pois toda vez que pergunto se quer que eu pare, você diz que não com a cabeça e com os lábios você me beija, pedindo mais. Minha mão se fecha sobre seus seios, firmes e rijos. Não poderia querer outro tamanho, eles se encaixam na minha mão como se fossem feitos para mim. Você joga a cabeça para trás, deixando escapar uma respiração mais intensa, na inútil tentativa de evitar o gemido.
Depois de judiar de você, continuo seguindo meu caminho. Enquanto minhas mãos apertam sua deliciosa bunda, minha língua deixou para trás seus mamilos e se posiciona para contornar seu umbigo. Nesse momento, fico em dúvida se gosta mais da minha língua em seu umbigo, ou se das minhas mãos te massageando.
Trago minhas mãos para frente e habilmente desabotôo o botão da sua calça jeans e desço o zíper. Estrategicamente ofereço minha orelha para que seja beijada e lambida; na verdade, quero estar próximo da sua boca para ouvi-la sentindo prazer. Meus dedos já ultrapassam o elástico da sua calcinha e brincam delicadamente sobre seus pêlos pubianos. Não preciso de olhos para saber que seu ‘penteado’ está do jeito que gosto – curto e retangular.
Adoro brincar em sua virilha, isso faz a expectativa aumentar. Meu dedo desce suavemente entre suas pernas e a resposta à minha ação vêm pelos dois lados: o gemido em meu ouvido – eu adoro isso – e a contração de suas pernas ao redor da minha mão. O mel do seu corpo lambuza minha mão e sua respiração em meu ouvido é algo que me deixa entorpecido. Sei que você ama isso.
Não se passa muito tempo até você voltar a sussurrar em meu ouvido: “Agora, você está judiando muito, muito, muito mesmo!”. Pergunto se quer que eu pare e você diz que sim. O sorriso em seu rosto é a prova de que também queria mais, mas não faz mal. Sei que precisa de tempo para que as coisas aconteçam na hora e no local certo, eu não tenho pressa. Afinal, temos todo o tempo do mundo.

4 Recados:

Luci. disse...

Huuummm...Sex, baby, sex

Vou começar a acompanhar agora mesmo! (hihi)

Débora Andrade disse...

Uau!!!! Fiquei sem fôlego!!!!

Natacia Araújo disse...

Adorei...incitou ao extremo, e no fim deixou um ar de: " só está começando"...
Parabéns Leo!

LIZ MELLO disse...

Adorei seus poemas Lonardo,pra uma pessoa de 26 anos vc parece ser uma pessoa vivida,porem tão jovem...quem sabe um dia eu mande um dos meus poemas pra ti.Adorei mesmo!!!Parabens fikei encantada..